26 de novembro de 2020

O DIA 25 DE NOVEMBRO DE 2020 - POR MARA LISBOA

NÓS MULHERES NÃO TEMOS NADA PARA COMEMORAR, A NÃO SER PEDIR AS COMPANHEIRAS UM MINUTO DE SILÊNCIO, PELA MORTE DE TANTAS MULHERES QUE TIVERAM SUAS VIDAS CEIFADAS COVARDEMENTE 


Esta data de 25 de novembro, seria para comemorar o dia da eliminação, da violência contra a mulher, aqui no Brasil, está muito longe de acontecer, primeiro porque temos um poder judiciário, que estar corrompido, onde as leis não assegura direitos de pobres, mulheres, negros etc. Então estamos longe de alcançar os nossos ideais objetivos.



Aqui em Senhor do Bonfim, a situação é mais complicado ainda, pois o único Órgão em defesa da mulher é o CRM, que por sua vez não tem uma estrutura para auxiliar, como a casa de acolhimento para as mulheres violentadas em seus lares, que a maioria da vezes, continuam vivendo com seus agressores, no mesmo local por não ter independência financeira se submetem a serem violentadas, falta uma delegacia especializada para o atendimento prioritário a estas mulheres,  havia o Conselho de Mulheres, Câmara de Mulheres, não se ouve mais falar.



Atualmente, existem 125 países com leis especificas de proteção à mulher, sendo que a legislação brasileira tem a (Lei Maria da Penha) que é considerada uma das três mais avançadas do mundo. Mas apesar deste avanço da criação da lei, estamos distantes desta realidade, de termos mulheres comemorando um país onde as mulheres são livres de violência. 


 

Infelizmente, ainda teremos muitas Marias, muitas Pátrias, muitas Minervas e Marias Teresas, sendo assassinadas, enquanto os homens e mulheres, não fizerem as políticas públicas bem planejadas, voltadas para uma verdadeira assistência a estas mulheres, esta situação não terá fim.



É necessário que as instituições, como Ministério Público, delegacia da Mulher, tivesse um promotor designado para estes casos, que houvesse punições mais severas para os agressores, ou que houvesse uma equipe especializada em atendimento ao agressor, para acompanhá-lo psicologicamente, para descobri os distúrbio do mesmo, e porque ele pratica a violência.



A criação de uma rede com um planejamento especializada para acompanhar os dois lados, as mulheres e filhos, pois em casos de violência domésticas os filhos também são violentados, as mulheres precisam de abrigos e os filhos de creche. E toda assistência psicológica e saúde.

     


MARIA FERREIRA DE LISBOA E LIMA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.